CPI aponta superfaturamento de postes em Rolândia; prefeito pode ser cassado

Redação Tarobá News
Política | Publicado em 10/10/2018 às 20:25

A Câmara de Rolândia encerrou ontem os trabalhos da comissão que apura o pagamento de propina de empresas a servidores públicos da prefeitura. Nos próximos dias, uma nova comissão poderá julgar a cassação do mandato do prefeito. O relatório final com 63 páginas foi lido no plenário da Câmara de Rolândia. Em 120 dias de trabalhos, a Comissão Processante de Inquérito ouviu 14 pessoas, entre elas vários secretários da cidade. 

Os fatos apontados reforçam a denúncia de pagamento de propina de empresas a agentes públicos da prefeitura. Segundo o presidente da comissão, num dos casos, cada poste de energia comprado rendia 600 reais a Victor Hugo Garcia, chefe de gabinete do prefeito Luiz Francisconi Neto. Os postes já comprados pela prefeitura, eram reformados e moldados, mas ao invés do município pagar por apenas esses serviços, na nota saia com valor maior como se os postes fossem novos. No relatório, as irregularidades se estendem também a serviços como roçagem, eventos e transporte escolar e ainda a tentativa de obstrução dos trabalhos dos vereadores pelo secretário de educação, Cláudio Pinho.

 Mas nenhum depoimento levou ao envolvimento do prefeito. Mesmo assim, ele está afastado do cargo desde o mês passado e é monitorado por tornozeleira eletrônica, depois de ser alvo de uma operação do Gaeco e do Gepatria. Investigações apontaram que desde dezembro de 2015, foram pagos mais de R$ 230 mil reais em propina e desviados quase R$ 24 mil e 500 reais de dinheiro público. Segundo os promotores, o dinheiro desviado era para a campanha de reeleição do prefeito, em 2016. Com a entrega do relatório final, a Câmara cogita abrir uma comissão processante nos próximos dias. 

O objetivo será julgar a cassação do mandato do prefeito de Rolândia. Além do prefeito, por conta da operação do Ministério Público, outros 9 agentes da prefeitura de Rolândia são monitorados por tornozeleira eletrônica e estão afastados dos cargos. Chefe de gabinete, cinco secretários, procurador, subprocurador do município e uma servidora. Quatro empresários também são monitorados da mesma forma.

Reportagem: Kathulin Tanan.



Relacionados

Política | 07-10-2018 22:10

Marina: infelizmente, tivemos a velha polarização que tóxica nessa campanha

Marina: infelizmente, tivemos a velha polarização que tóxica nessa campanha

Política | 07-10-2018 22:10

Fora do 2º turno, Skaf diz a apoiadores que "saímos todos fortalecidos"

Fora do 2º turno, Skaf diz a apoiadores que "saímos todos fortalecidos"

Política | 07-10-2018 22:10

Filho de Bolsonaro bate recorde de votos na Câmara

Filho de Bolsonaro bate recorde de votos na Câmara

Política | 07-10-2018 22:05

Próximo presidente terá o desafio de unificar o País diz presidente da Votorantim

Próximo presidente terá o desafio de unificar o País diz presidente da Votorantim

PUBLICIDADE